quarta-feira, agosto 01, 2007

Conholândia Road Trip

Finalmente podem dormir descansados e parar de roer as unhas de ansiedade pois após uns dias de ausência para férias pelo Norte de Espanha, o Guia de Campo está de volta, cheio de cromos novos. Como reparei que nestas últimas semanas a blogosfera está repleta de relatos de férias, deixo aqui a minha contribuição, até porque seria conveniente ficarem a conhecer a minha versão (obviamente, a verdadeira) de alguns acontecimentos antes que algumas vozes caluniosas apareçam aí a dizer mentiras ou meias-verdades. Eis então o que se passou:
Dia 1
Marquei presença no casamento do sr engº e da sua Maria, só tendo a lamentar ter saído tão cedo. Fui um tenrinho e durante o dia inteiro só bebi uma amêndoa amarga. Pelo contrário, a minha mesa, que reuniu os convidados mais ilustres, foi a que se portou pior, com o chavascal feito só comparável à diversão reinante. Ao fim do dia lá fui ter com o Sócio e a Maria Amélia, pegámos na Brigite (ou BB, para os amigos) e rumámos ao Porto.
Dia 2
Fazer o trajecto Porto-Somiedo. Chegar a uma bela paisagem montanhosa e encontrar postos de turismo, delegações do parque, associações dos ursos (e ursas ;-)) abertos a um Domingo à tarde (!), para fazer um bocadinho de contraste com o funcionamento dessas coisas do lado de cá da fronteira. Grande momento de ausência no restaurante Urogalo, onde a empregada que nos atendeu, momentos antes estava a tirar macacos do nariz com o dedame. Voltar a acampar foi bom, embora dispensasse a chuva que teimou em cair toda a noite.

Dia 3
Voltas de carro por alguns trajectos do parque. Frio. Vento. Polares vestidos em Julho. Percurso a pé numa zona ocidental de Somiedo para ver as primeiras camurças e alguns veados. Ursos, só mesmo os que iam comigo (esta e outras piadas foram levadas até à exaustão). Jantar noutro restaurante, substituindo os macacos da véspera por um pudim de queijo excelente. Voltar ao parque e descobrir que uns tugas tinham estacionado o carro quase em cima da nossa tenda. O facto do resto do parque estar praticamente vazio foi um pouco desconcertante...

Dia 4
Grande percurso a pé para ir ver um maravilhoso lago natural (NOT!) e andar por carreiros inimagináveis com 5 cm de largura, ora bloqueados por vacas, ora cobertos por plantas carnívoras e espinhosas, ora à beira de precipícios. Mas bem fixe! Menos fixe foi ter descoberto a resposta à seguinte equação:

hiperuricémia + desidratação + não tomar alopurinol = gota!

O meu ácido úrico já é internacional! Durante uns dias andei a fazer de saci pelas montanhas a sofrer agruras, não tanto pelo incómodo do pé, já que me atolei em anti-inflamatórios, mas pelo gozar constante dos 2 ursos que vinham comigo. Fui acusado de explosões de mau feitio e frases proferidas por mim foram distorcidas até à exaustão. Já ganhei o meu lugarzinho no céu...

Dia 5
Viagem de carro de Somiedo para os Pirenéus. Já começa a fazer um calorzinho e o parque de campismo de Gavin é excelente.

Dia 6
Ainda a arrastar-me, lá fazemos uns percursos em Bujaruelo para deleite da minha parte herpetológica, dada a quantidade de espécies novas. Enquanto fotografávamos um Calotriton asper e uns girinos de Rana pyrenaica, passou uma coña por nós a rosnar "No se los puede cojer. Es por eso que ya no los hay" ou qualquer coisa do género. O facto de dizer isto ao filho enquanto este dava pauladas aos girinos não fez muito sentido. Puta! Por esta altura já estamos todos viciados em coca-cola. Paragem à tarde frente a um penhasco impressionante sobrevoado por alguns quebra-ossos. O facto de não termos encontrado a estrada para esse percurso terá sido devido ao facto de o mapa do sócio ter uns 15 anos??? Regressar ao parque para o primeiro mergulho na piscina.

Dia 7
Por esta altura as doses mastodônticas de drogas permitem-me andar apesar de o estômago se começar a ressentir. Mas tinha de ser pois íamos para Ordesa. Rumar vale acima até Cola del Caballo, ver marmotas e alguns pitos novos. O Sócio bem chamava pelo Pico nigro mas nada, apesar de a Maria Amélia ter visto uns espécimes semelhantes. Fazer a viagem de volta na camioneta com a família mais disfuncional que já vi.

Dia 8
Regresso a Portugal, com direito a paragem no Douro. Passear pelas arribas com a Maria Amélia mais Maria Amélia que nunca, a queixar-se dos riscos na pintura da BB e o camandro. Rever amigos e burros, jantar excelente, café excelentíssimo para esquecer a aguadilha que nos servem em Espanha, assistir ao reencontro do Batman com o Robin. O resto da noite foi meio surreal, dado o sono, mas lembro-me de ter andado por uma quinta com mais burros, cães e gatos, dar boleia a uma mula e de ter parado no Macdrive dos abutres (cenário dantesco).

Dia 9
Despedidas e regresso a Lisboa, passando por incêncios e temperaturas de 43º C. Acabaram-se as férias. Mais só em Setembro!
Em resumo, espécies novas (observações de jeito e confirmadas):
Calotriton asper
Alytes obstetricans
Iberolacerta monticola cantabrica
Iberolacerta bonnali
Podarcis muralis
Podarcis hispanica
Certhia familiaris
Parus palustris
Serinus citrinella
Rupicapra rupicapra
Marmota marmota

3 comentários:

Fred disse...

Meu Amigo, de agora em diante rebatizado de "URSO MOR".

Ainda bem que passaste umas férias agradaveis... mas tenho alguns pontos a acrescentar na tua breve descrição de todos estes acontecimentos:

- dos URSOS que eu vi apenas um corresponde aos teus apontamentos, o outro eras TU.

- Mais vale um mapa com 15 anos! do que nenhum, e ainda por cima com comentários do género. Fred: "leva este que é de graça", URSO MOR: "Não quero mapas para nada, grhhhrrghh... fod... cara... (+ peidos e arrotos)"

- acho que tb deves acrescentar que a boleia que deste à mula, esta estava cadaver.

- falta-te ainda o reconhecido agradecimento para a possibilidade proporcionada pelo JE de teres visto tantos pitos e outros bichos novos, não te ficava nada mal... ;-)

Para terminar deixo o comentário que: apesar de todos os defeitos do meu sócio (URSO MOR, para não se esquecerem) é sempre bastante agradavél partilhar com ele estes momentos de lazer, mesmo os de disfunção mental, que cada vez são mais frequentes...

Ao URSO MOR e à Maria Amélia (que se portou condignamente de acordo com o seu nick name) o meu muito obrigado por mais esta inesquecivel aventura.

Hugo disse...

Deve ter sido lindo, deve. Três mânfios a arrotar pelas montanhas que nem ursos!
E imagino o desastre ecológico que provocaste no dia 6 meu colecionador de espécies únicas e altamente ameaçadas!
Devia denunciar-te às autoridades...ah espera, és sócio das autoridades :\

Fuzhong! disse...

Vocês queixam-se (apesar deste não ser o site do INEM) mas eu sei que é a inveja a falar...

Sócio: os únicos cromos novos que mostraste foram as marmotas, que nem sequer são pitos. Quanto ao resto, tratam-se de liberdades literárias, para tornar a narrativa mais interessante.