segunda-feira, fevereiro 09, 2009

apreciação lúdico-gastronómica

Já há muito tempo que não são feitas aqui relatórios gastro-enológicos. Por isso - e como o fim de semana foi recheado destes eventos, embora todos caseiros e portanto não disponíveis para todos - e porque um certo segmento da população deve estar a estalar para ouvir a crítica sobre um certo local de diversão nocturna, aqui vai:
Tudo começou Sábado à tarde com um prato da melhor feijoada à brasileira, regada com um picante atómico e um tinto que já não me recorda o nome a que se seguiu a repetição da asneira de comer até não caber mais um feijão no estômago, o que é certamente um elogio para quem preparou o jantar. Nota máxima. Segue-se o regresso a Lisboa para café, chá e água com gás - curiosa combinação - encontro com mais foliões um restaurante que é capaz de merecer visita (New Wok) e depois de fazer a boa acção do ano - encaminhar um grupo de jovens nerds americanos para o Absoluto - cometer o grande erro da noite:
Pois é, diz que há um novo espaço, o Lx Factor, com um enorme potencial. Mas... a coisa não parece começar a correr bem com o inferno que é chegar ao sítio e conseguir entrar. Depois, um local com o nome "lolipop" não augura nada de bom e deixou algumas pessoas a pensar naquela música de um certo rapper norte-americano. Estão a ver? Depois mais filas para entrar, guest-lists, felizmente entrámos com cunha mas todo aquele aparato e subir uma dúzia de lances de escadas fez criar uma expectativa que quando finalmente chegámos ao centro nevrálgico da coisa, foi um grande flop. Porquê? Música foleira, um espaço que foi descrito como "betolândia" e atafulhado de clones de Micos e Micas, uma tiragem de ar inexistente e uma varanda e sala que se não fossem estarem cheias com mais pessoas e os vidro todos embaciados, até dariam uma boa panorâmica do rio Tejo. Mas o que é que se passa com este pessoal? Antes que começassemos a sofrer irremediavelmente de hipóxia, ala dali para fora, obrigado, boa noite, gostamos muito e acabar a noite a beber whisky e a jogar bowling, box e golf.
Ainda em recuperação da noite anterior, juntou-se todas as refeições de Domingo numa só e ao pequeno-almoço-lanche-jantar passou-se por um desfile de cogumelos, masssas e crepes lá para os lados da Prezinheira, onde alcancei o título de super-campeão de Uno do universo. O dia só acabou com umas boas horas, novamente em Lisboa, de neuroses lagomórficas e não só.

1 comentário:

Pintinhas disse...

Devo dizer que o cúmulo desta noite foi no dia seguinte acordar com dores musculares por causa da wii! Como deves calcular o meu domingo foi completamente vegetativo :p