segunda-feira, dezembro 11, 2006

Trabalho de campo Parte II - a gastronomia

É certo e sabido que não há saída de campo sem saída gastronómica e se bem que durante o dia nos alimentávamos de sandochas (eu mantinha-me bem com 1 sandes por dia, por mais incrível que possa parecer) o jantar era reservado a outras degustações.
07 Dezembro: Jantar no restaurante "O Túnel" em Sintra. Normal, bife com batatas fritas e um belo abacaxi de sobremesa.
08 Dezembro: o prato mítico do campo: massa com atúm. Palavras para quê? Um clássico para quem anda nestas andanças.
09 Dezembro: Salsichas frescas e costeletas grelhadas na lareira com arroz de feijão. Neste dia fui eu o chefe de culinária e como sou muito criativo, preparei um arroz de feijão inovador. Segue a receita:
  1. Preparar um refogado com cebola, alho e tomate picados, azeite e louro num tacho colocado em cima do Campingaz;
  2. Deitar o arroz no tacho;
  3. Entornar o tacho por cima do fogão e bancada da cozinha e atirar com o campingaz (aceso) para cima dos pés;
  4. apanhar o arroz de volta para o tacho e voltar a por em cima do campingaz;
  5. juntar o feijão, deixar apurar e retirar coisas pretas e outras impurezas do arroz;
  6. Servir à mesa e reparar que toda a gente repetiu o arroz.
Tenho a agradecer ao Abetúrcio por me ter ajudado a por o arroz de volta no tacho.
10 Dezembro: frango assado, arroz e batata frita.
Todas as refeições devem ser regadas com vinho Galito e no final whisky "Vat 69"!

4 comentários:

Jp disse...

POis, é assim mesmo: começa-se a entornar arroz em cima das bancadas... e qualquer dia andas a tentar incendiar casas e a desfigurar inocentes convivas com tachos com óleo a ferver ;)

FM disse...

Não, isso deixo para ti ;)

abtursio disse...

pois, mas é de ver que se não fosse o travo agridoçe da gordurinha negra agarrada aos discos do fogão, o arroz seria uma banalidade.

FM disse...

Ora aí está alguém que reconhece o meu mérito culinário...