domingo, fevereiro 04, 2007

Fim de semana

Começa a ser rotina começar a semana à 2ª feira mais cansado do que no final da semana passada. No meu caso, não é necessariamente mau ou indicador de que se avizinha uma semana infernal (também, depois da semana de trabalho passada, aguenta-se qualquer coisa), mas apenas que o fim de semana foi bem preenchido. Este não foi excepção, recheado de eventos sociais, culturais, científicos e outros que tais.
Começou sexta à noite, com um chá de inauguração da casa de um casal amigo, o qual tive de sair mais cedo, com pena minha. Mas precisava de dormir algumas horas para aguentar a viagem de 300 e tais kms do dia seguinte. Por isso, eram 6h30 (é verdade, leram bem) quando estava a sair de Lisboa, rumo a Gouveia, Serra da Estrela para um pequeno curso de formação.
Apesar de chegar com 1 h de atraso planeado (também estava fora de questão acordar 1 h mais cedo), apanhei o início dos trabalhos.
O dia correu ligeiro, apenas interrompido para almoço e uma apresentaçãozinha minha a cravar amostras para a tese. Ao jantar pude repetir esse êxito estrondoso culinário, o arroz de feijão. Só não ficou tão bom como o anterior porque não me deixaram fazer aquele truque de entornar o tacho no fogão. Azar... A acompanhar, uma constelação de enchidos da zona, para me entupir as artérias quando for velhinho (alguém há-de me apanhar; se não for o ácido úrico há-de ser o colesterol ou outra coisa parecida). A oportunidade de rever DVD's de documentários de Félix Rodriguez de la Fuente e sentir uma onda de saudosismo naturalista a bater forte. Ou seria do tinto "Periquita"? Não deixa de ser engraçado verificar que uma série de televisão (coña, ainda por cima) está tão presente no imaginário deste pessoal. Após uma sobremesa de toblerone de 4,5 kg rumo ao Sporting clube de Vinhó ou coisa que o valha.
Grandes conversas sobre tudo e nada, cerveja para não deixar secar a boca e manter o diálogo fluido. O Sporting ganhou e só foi pena não ter visto muito bem o jogo porque a um dado momento a televisão do café começou com problemas e a transmitir as imagens em palplus (de facto, acho que uma certa altura estava tudo a 16 por 9...). Felizmente ou infelizmente, ainda não sei bem, acho que me curei daquele efeito refractário ao alcoól da passagem de ano. Ou então, há sempre aquela desculpa do cansaço acumulado. Só sei que com 0,5 L de tinto e 2 médias estava ko e a sentir-me um fraquinho. Quem me salvou foi a Abtúrsio, que rapidamente elaborou a teoria do Efeito gravitacional do alcoól, que passo a demonstrar:

Perceberam? Quando me sentei o nível do alcoól atingiu o cérebro. Deve ter sido isso. Às 2h00 já não me aguentava acordado e ala para a cama, onde rapei um frio desgraçado e acho que engoli uma pastilha de melancia menstruada. Lamentavelmente, perdi uma noite repleta de grandes debates filosóficos sobre dedos, orifícios naturais e escovas de dentes.

A manhã de Domingo foi a passear na serra. Mais um almoço, mas levezinho que a noite passada tinha sido puxada. Viagem de volta para Lisboa, onde me encontro agora a pensar no que vou fazer para jantar.

2 comentários:

abtursio disse...

gostei particularmente do esquema do alcool. lololol

Fábia disse...

Viva o Sporting Clube de Vinhó!!!

Temos de repetir uma noitada dessas, mas ctg acordado!!! :)

Bjos